Subscribe Us

header ads

Review da primeira temporada de Sombra e Ossos

SAIUUU! Depois de meses esperando hoje estreou a série Sombra e Ossos na Netflix, e vim trazer um review que pode conter spoilers!


Para quem caiu aqui sem ver nossa cobertura (poxinha!) a série de fantasia baseada nos livros de Leigh Bardugo lançados em 2012 conta a história de Alina na sua descoberta de um poder que pode livrar seu País de uma ameaça instalada a séculos. O universo, conhecido com Grishaverso pelos fãs, tem três livros com a protagonista Alina, dois livros sobre uma gangue de ladrões que fazem roubos históricos e (por enquanto) mais dois sobre um outro personagem que não vou contar para não dar spoilers sobre os próximos livros.


O que esperávamos dá série X O que tivemos da série: 

Netflix investiu bastante nela, principalmente em publicidade, chegou a sair notícias dizendo que essa seria a maior série de fantasia da plataforma. Eu como fã estava maravilhada e apavorada, pois se trata de uma série com elementos muito novos que se não fossem bem executados deixariam a série com uma cara de “feito de qualquer jeito”. BOA NOTÍCIA: Está tudo incrível! Os figurinos estão belíssimos, os Keftas super dão um visual de destaque (tenho um problema pessoal com os Keftas, mas é só questão de “como eu imaginava”), os cenários... A DOBRA!!! Acho que era uma grande preocupação dos fãs, em como ela seria representada, juntamente com a “escuridão” do Darkling/Kirigan se seria só mais uma batalha do final de GoT (se vocês não assistiam a série não fiquem triste, basicamente foi um borrão de pessoas gritando no escuro!), mas ficou muito bom a maneira que eles fizeram a escuridão sem que nós espectadores perdêssemos a visão nítida da cena. Um adendo a ser feito sobre a Dobra: Eles explicaram como, quando e o motivo dela ser feita! Achei isso bem interessante e a cena ficou maravilhosa. Pegando o gancho da criação da Dobra, nessa temporada nós vimos um pouquinho do passado do Darkling, não temos muito acesso a essas informações na trilogia, mas a autora tem um conto que se chama ˜The Demon in the wood” que conta sobre o começo da vida dele, mas a cena usada na série não está nesse conto também.

Quando avisaram que juntariam as duas histórias eu criei duas teorias, a primeira era que a gangue de Ketterdam apareceria mostrando suas façanhas antes do roubo que acontece no primeiro livro, bom ela foi confirmada logo nos trailers e nas conversas com os atores. A maneira como eles fizeram os links entre as duas histórias foi incrível! Parabéns a equipe de roteiristas ficou tão sútil que quem não leu Six of crow não vai ter nenhum spoiler! A segunda era que mostrariam Nina e o Matthias se conhecendo, que é contado no primeiro livro dos Corvos, porém como uma lembrança. E bom, acertamos! Palmas para Danielle Galligan e Calahan Skogman! Os dois nasceram para representar Nina e Matthias, a única coisa que me chamou atenção é que mudaram a idade da personagem Nina. No livro ela conta que nos acontecimentos do terceiro livro ela era uma criança, na série ela já aparece com idade para participar do segundo exército e sair em missões para o próprio general. São detalhes, eu sei, mas como vão refletir lá na frente?!

Um detalhe sobre a junção de acontecimentos das histórias: nem sempre elas estavam acontecendo ao mesmo tempo! Você precisa ficar atento as detalhes.

Voltando ao trio de Ketterdam, que atuação gente! Eu estou maravilhada pelo Jesper (parabéns Kit Young, você conseguiu!), Inej e Kaz realmente saíram dos livros e foram para as telas. Não consigo pensar em uma virgula para reclamar desses três.

Agora vamos falar de Zoya Nazyalensky! Para quem leu qualquer um dos livros, viu que Zoya é uma chata! Desculpa! Mas a redenção final dela me fez querer ficar de pé e bater palmas!

Então chegamos no tão amado e odiado trisal! Calma gente, não é exatamente isso. Só vamos falar de Alina, General Kirigan (Darkling) e Maly! Começando com a atuação impecável de Ben Barnes na pele do vilão, não que eu tivesse alguma dúvida que seria algo menos que isso, mas SENHOR!!!! Entendo todas as que estão shippando Darklina. O Ben realmente vestiu a camisa da série, entrou com tudo e o resultado está ai!

Tenho dos favoritos em questões de atuação nessa temporada: Freddy Carter como Kaz e Archie Renaux como Maly! 

Eu disse a vocês que Maly era um favorito, que eu estava preocupada de como o Archie encenaria ele, mas foi maravilhoso! Sinto que tanto ele quanto a Alina tiveram algumas sutis mudanças na personalidade, mas eu amei!

Agora vamos falar de Jessie Mei Li, nosso cristalzinho! Ela arrasou como Alina, trouxe questões pessoais para a tela (sobre o racismo que ela sofre por ser metade inglesa metade a chinesa), nos livros Alina é uma órfã Ravkana, e na série ela é metade Ravkana (que é inspirada na Rússia) e metade Shu (inspirada na Mongólia e na China). E tem momento melhor do que esse para falar sobre ser considerada “inimiga” por ser de outra cultura?!


Só tenho uma reclamação sobre a série: Para quem não leu os livros, fica bem difícil entender o que exatamente são os Grishas e como funciona as divisões entre eles. Posso trazer um post detalhando mais sobre isso se vocês quiserem.


Eu li os livros em 2015, reli todos esse ano e como fã posso dizer: valeu a espera, valeu acordar de madrugada e vale assistir novamente para ver todos os detalhes inseridos e se preparar para a próxima temporada que tenho certeza que vai rolar!

Postar um comentário

0 Comentários