Séries X Quadrinhos - As igualdades e diferenças nas adaptações de Sabrina


A bruxinha Sabrina Spellman é uma velha conhecida das crianças dos anos 90. Lá atrás fomos apresentados a uma série cômica, onde Sabrina passava por momentos embaraçosos e engraçados, muitas vezes causados enquanto ela aprendia como ser uma bruxa. Em 2018 conhecemos uma outra versão da família Spellman, com um toque sombrio, com batismos demoníacos e uma Sabrina dividida entre o mundo mortal e o mágico mundo da magia negra. Qual a relação dessas duas Sabrinas e de onde vem a diferença?

A Archie Comics apresentou a bruxa adolescente pela primeira vez em 1962, na história em quadrinhos nº22 de Archie Andrews, que chama "Archie’s Mad House”. Sabrina uma personagem programada para ser secundária na história de Archie acabou roubando a fama do garoto, conquistou sua própria série de quadrinhos “Sabrina the Teenage Witch”. Depois veio os programas de televisão que começaram com animações e em 1996 ganhou sua própria comédia em live-action, a famosa “Sabrina, Aprendiz de Feiticeira”.


Nos primórdios dos quadrinhos, Sabrina tinha uma história completamente diferente das que conhecemos. Inicialmente ela foi criada pelas tias por causa de uma poção mágica errada, suas tias Zelda e Hilda eram descritas como bruxas estereotipadas, com cabelos verdes e vestidas como a “Bruxa Má do Oeste”. Mas uma particularidade que não mudou por muito tempo, foi o fato de que Sabrina por diversas vezes escolhia ser boa ao invés de má.
Os quadrinhos foram amadurecendo e depois da série de TV ser lançada eles fizeram alterações na história para que ficassem parecidas. Aí nasceu a história original de que Sabrina era filha do irmão feiticeiro de suas tias. Zelda no princípio não tinha muito destaque e às vezes as pessoas pensavam que Hilda era a única tia. Depois da reestruturação da história ela passou a ganhar destaque. 

As tias sempre foram bruxas que odiavam humanos e estavam sempre prontas para lançar um feitiço vingativo. Elas abandonaram características de bruxas estereotipadas, para algo mais próximo a aparência humana, mas o início eram personagens que carregavam um humor meio obscuro. O primo Ambrose entrou nos quadrinhos nos anos 90, mas não foi colocado na primeira versão da série de TV. Ele perdeu espaço quando Salem cresceu e começou a ter mais destaque, roubando a importância do personagem e substituindo o primo.

O mortal Harvey não era a primeira paixão de Sabrina, mas também foi ganhando espaço com o decorrer da história.

Por muitos anos os quadrinhos com a história da bruxinha se moldaram com a primeira série de TV, tendo um viés cômico, às vezes até um pouquinho soturno, mas nada tão sombrio quanto a nova série. Os quadrinhos foram cancelados em 2009, mas a narrativa ainda é recorrente nas histórias do Archie.


Em 2010 a Archie Comics apostou em histórias mais sombrias, um mundo paralelo aos quadrinhos originais chamado de Archie Horror. Iniciaram com “Afterlife with Archie”, o que explica um pouco o cenário sombrio da série de Riverdale. Depois do sucesso eles lançaram um especial sombrio para Sabrina, “Chilling Adventure of Sabrina”, que por motivos óbvios é o mesmo título da nova série do Netflix.

Na nova versão o primo Ambrose volta a ser um personagem recorrente, as tias carregam uma aura mais sombria, perdendo completamente o lado “cômico” e sustentando a mesma história sobre a morte dos pais de Sabrina. Harvey continua sendo o namorado humano, mas sua história é aprofundada e igualmente com alguns tópicos sombrios. A Madame Satã também é recorrente na história, da mesma forma que na série. 


Algumas alterações foram especialmente feitas para conversarem com o lado sombrio que queriam retratar. Daí nasce algumas particularidades, como a profissão das tias, o coven da Igreja da Noite, o batismo sombrio, algumas oferendas como as que eles comem carne humana, as “Irmãs estranhas”, o padre Blackwood e a história sobre as famílias de Harvey e a Roz.
As amigas humanas de Sabrina sofreram alterações, Susie Putnam não existia e Roz que na série da Netflix é uma das melhores amigas da Sabrina, originalmente nos quadrinhos era uma “rival” humana que competia com a bruxa por tudo.

O que foi uma grande decepção para alguns foi o fato de Salem não falar. Nessa nova versão apenas Sabrina o escuta e consegue dialogar com o gato. Ele assumiu uma versão realista, diferente da comédia dos anos 90 onde o seu humor ácido era uma característica marcante.


As duas temporadas são completamente diferentes, mas são amparadas por momentos distintos dos quadrinhos. Divide a opinião de fãs ao redor do mundo, há quem goste da versão antiga e há quem goste mais da nova versão sombria. 

Particularmente eu enxergo de formas diferentes, já que a comédia foi um dos meus programas preferidos durante a adolescência, mas agora como adulta, acho a nova versão mais madura e parecida com o que costumo gostar aos 25 anos. A Sabrina cômica foi importante para a minha pré-adolescente/adolescente, por isso nunca vão me ver falar que é uma versão ruim, mas posso afirmar que o “O mundo Sombrio de Sabrina” é espetacular, pra mim a melhor versão da mestiça bruxinha.

Na realidade só estamos preocupados se vai ter crossover de Sabrina e Riverdale, esse é a nossa única preocupação.

A segunda temporada está garantida e as gravações já se iniciaram, então vamos deixar as roupas escuras e o batom preto no esquema para estarmos devidamente vestidos quando a aprendiz de feiticeira voltar com suas aventuras.


Trailer:



Nenhum comentário