[RESENHA] A Caminho do Altar – Julia Quinn (Editora Arqueiro)

Livro cortesia da Editora Arqueiro
Tolos a maioria deles.
O amor existia. Estava bem ali, no ar, no vento, na água. Só era preciso esperá-lo.
Cuidar dele. Lutar por ele.
Olá pessoal,

Esse foi um mês de despedida para Os Bridgertons, da Julia Quinn e por isso trouxemos para vocês a resenha de A CAMINHO DO ALTAR, o último (e oitavo) livro da série, lançado em junho pela Editora Arqueiro.

Nesta obra conhecemos a fundo a história de Gregory, o oitavo herdeiro dos Bridgertons e sua busca pelo amor verdadeiro, o promete uma narrativa inteligente, divertida e cheia de personalidade. Confiram:

Sobre a autora

Julia Quinn é o pseudônimo de Julie Pottinger, uma reconhecida escritora americana que iniciou sua carreira escrevendo como um hobbie durante os estudos para ingressar na Faculdade de Medicina, na Yale School of Medicine.

Desde a juventude Julie já escrevia romances e chegou a terminar Sweet Dreams, mas a obra não foi bem recebida pelas editoras. A paixão pela escrita persistiu ao fracasso inicial e logo recebeu a oportunidade de publicar Splendid e Dancing At Midnight, abrindo as portas para que a autora mergulhasse no universo literário, recriando o século XIV com graça e bom humor.

Com o passar dos anos seus livros já atingiram a marca de 8 milhões de exemplares vendidos, em 26 idiomas, sendo 3,5 milhões da série Os Bridgertons, sendo a autora mais jovem a entrar para o Romance Writers of America’s Hall of Fame, a Galeria da Fama dos Escritores Românticos dos Estados Unidos.

Atualmente Julia mora com a família no Noroeste Pacífico.
Livro cortesia da Editora Arqueiro

Ela o amava. Ele sabia disso como sabia que a Terra era redonda, que os olhos dela eram azul-esverdeados e que dois mais dois sempre, sempre, seriam quatro.

Sobre a obra

Gregory Bridgerton cresceu acreditando no amor verdadeiro. Após ver os sete irmãos se apaixonarem e viverem “felizes para sempre”, ele sonha em encontrar o seu amor verdadeiro e ter uma vida feliz. Entretanto o rapaz ainda não encontrou sua alma gêmea, o que não impede de aproveitar os benefícios de um homem solteiro até lá.

O que Gregory não sabe é que sua vida está para mudar após conhecer a bela Sta. Hermione Watson, uma jovem prestes a debutar na sociedade londrina que arrebata o coração do rapaz. Infelizmente ele não está com sorte, pois Hermione já está apaixonada por um rapaz que sua família não aprova.

Para garantir seu lugar na disputa, ele contará com a ajuda de Lucinda Abernathy, a melhor amiga de Hermione, para se aproximar da amada e afastá-la dos pretendentes.

O que Gregory e Lucy não poderiam imaginar é que essa proximidade entre os dois criaria mais do que uma amizade duradora e começaria uma atração envolvente que pode colocar todos os planos de pernas para o ar.
Livro cortesia da Editora Arqueiro
- Há coisas que simplesmente não podemos evitar. Sempre serei o Bridgerton que pode ser derrotado pela irmã.
- Aquela de quem o senhor me falou?
- Por todas elas.
Opinião pessoal

Despedidas são sempre muito tristes e não poderia ser diferente ao concluir a saga Os Bridgertons. Primeiramente é muito estranho ler a história de Gregory, pois definitivamente ele é o personagem que mais vemos crescer na trama. Quando ele aparece em O Duque e Eu ele não passa de uma criança e com o passar dos anos o vemos entrar em Eton, ajudar os irmãos a defender algumas honras, participar de festas e, agora, buscar o seu “felizes para sempre”.

Segundo fato muito importante: ele definitivamente pode ser eleito como o Bridgerton destinado a causar. Digo isso, porque os irmãos já se meteram em diversas enrascadas, mas ele bateu o recorde invadindo um casamento (que não é o seu por sinal), logo nas primeiras páginas do livro, passando a continuação da obra para justificar como ele chegou até esse momento.

Diferente de outros irmãos (como Anthony, por exemplo), ele acredita no amor verdadeiro devido ao casamento bem sucedido de toda sua família, mas ele idealizou tanto esse momento que chega a ficar sem reação e confundir seus sentimentos quando conhece sua “destinada”. E é em meio a essa confusão ele encontra Hermione Watson (Ps. Foram incontáveis às vezes em que li “Granger” ao invés de “Watson” – sempre Harry Potter).

Ao conhecer a jovem, Gregory acha que foi arrebatado para o paraíso devido a sua beleza. Ele idealiza tanto os modos de Hermione que (em conjunto com sua a arrogância) acha que ela está destinada a ser dele e que não há outra alternativa. Para o azar do moço, Hermione já está apaixonada por outro rapaz e uma reviravolta na história vai garantir que eles nunca fiquem juntos (não que Hermione quisesse de verdade, mas tudo bem).

É em um momento de tristeza (e muitos copos de bebida) que Gregory começa a enxergar Lucy Albernathy de outra forma. A moça sempre esteve por perto ajudando o rapaz a se aproximar da melhor amiga, mas a beleza e gentileza do mais novo dos Bridgertons começa a arrebatar o coração de Lucy, que por sua vez já tem problemas demais em seu futuro casamento com Lord Haselby.

Quando Gregory começa a perceber o que vai perder a segunda “paixão” de sua vida, coloca em risco sua honra, a imagem e até a vida para conquistar a jovem, mas talvez já seja muito tarde para isso.

Uma personagem que se destacou e bastante nessa narrativa foi Kate Bridgerton, a Viscondessa casada com Anthony (lembram-se dela?). Eu estava muito acostumada com a presença de outros irmãos na sequência, Anthony como o mais velho sempre esteve em todos os livros (e Colin também nunca ficou de fora), mas nas histórias dos mais novos eles foram perdendo lugar para outros personagens. E fiquei surpresa com a presença marcante de Kate em todo o livro.

Ela tomou o lugar de Victoria como a santa casamenteira da família, assumindo essa característica como um dever da verdadeira Viscondessa. O mais engraçado é como ela se adapta ao papel, visto que ela odiava o Anthony (a seis livros atrás) e toda a responsabilidade que poderia vir com o título. No entanto eles parecem ter se dado muito bem ao longo dos anos e constituindo uma família feliz (ponto para a jovem que veio do interior e ganhou o coração do pretendente mais disputado da temporada).

Em resumo gostei muito da obra (mais até do que dos anteriores). Gregory realmente superou as histórias de Eloise e Hyacinth (mais um ponto para o garoto).

Ouvi boatos de uma continuação a caminho, agora abordando a história dos netos. Será verdade? Caso positivo, uma coisa é certa, podemos contar com muitas confusões, pois o número de Srs. e Srtas Bridgertons triplicou (33 para ser exata) ;)

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.