[RESENHA] Eu Sou o Número Quadro – Pittacus Lore

"Os legados vivem. Eles vão se encontrar e, quando estiverem prontos, vão destruir vocês"
Olá pessoal,

Na resenha de hoje, o Blog Modernagem apresenta o livro EU SOU O NÚMERO QUATRO, do autor Pittacus Lore. A obra, publicada no Brasil pela Editora Intrínseca, é o primeiro livro da saga Os Legados de Lorien que conta a história dos nove lorienos se exilaram na Terra após a destruição de seu planeta.
Cheia de aventuras assustadoras e romance, a obra envolve os leitores em um universo de super poderes e do destino do planeta Terra. Confiram:

Sobre o autor

Pittacus Lore é um pseudônimo de dois autores americanos, James Frey e Jobie Hughes, que se uniram para escrever a história dos Legados de Lorien. Pittacus Lore é um ancião lorieno para quem foi confiada a histórias dos nove Gardes sobreviventes de seu planeta. Ele passou os últimos anos escondido na Terra.
"Quando você perde a esperança, já perdeu tudo. E quando você pensa que tudo está perdido, quando tudo é sombrio e sinistro, sempre há esperança"

Sobre a obra

Eu Sou o Número Quatro conta o início da saga dos nove lorienos que vieram para a terra após a destruição de seu planeta, Lorien, pelos mogadorianos. Cada um deles é chamado de Garde, ou guardiões, que protegem seu planeta utilizando seus poderes (também chamados de legados).

Eles vieram para a Terra acompanhados de seus Cêpans, responsáveis por sua proteção e treinamento. Ao chegarem a Terra ele se separaram para ativar o feitiço de proteção, que impede que os mogadorianos tentem matá-los fora de sua ordem numeral (ou seja, cada um deles tem um número de 1 a 9).

John Smith é o número quatro e aos dezesseis anos ele descobre que o número três acabou de ser assassinado. Cabe a ele e seu Cêpan, Henry, lutarem para salvar suas vidas. 
"O preço de uma lembrança é a lembrança da doe que ela traz"

Opinião pessoal

Acho engraçado assistir primeiro um filme e depois ler a obra. Sempre tento evitar, mas algumas vezes é impossível.

Foi isso que aconteceu com Eu Sou o Número Quatro.

Lembro que assistir o filme e ficar encantada com a história (mais ainda pela participação das atrizes Dianna Agron, do Glee, e Teresa Palmer, de Meu Namorado é um Zumbi). Infelizmente ele não foi muito bem visto pela crítica (o sonoro em inglês é uma porcaria, mas tudo bem), o que impossibilitou, até o momento, a gravação da continuação.

Após isso, fui atrás de adquirir o livro e foi nesse momento que me apaixonei de vez pela história. Além de bem escrito e descritivo, as cenas e os momentos de ação conquistam o leitor – claro que o filme nunca é fidedigno, mas neste caso o livro é beeeeeeem melhor que a versão cinematográfica (e olha que eu já falei que gostei do filme viu!).

John passa por situações que moldam seu caráter e explicam bem as dificuldades de se relacionar e lidar com seus legados. Henry, por outro lado é o exemplo de amigo/pai que está ao seu lado para ajudá-lo. Ele é um Cêpan que qualquer lorieno desejaria.

No quesito romance, Sarah é a boa moça que encara todas as situações muito bem: se apaixonar por um estranho, descobrir que ele é um alienígena, se encontrar no meio de uma guerra de raças e matar um mogadoriano (ela não é uma fofa?).

Ela é a força que John precisa para seguir em frente e salvar o planeta. Por ela, o mocinho também promete voltar ao lugar que um dia tanto odiou, Paradise, mas que de alguma forma se tornou seu lar. Não dizem que o amor move montanhas? (Neste caso, movem até legados).

A única coisa que me decepcionou um pouquinho (nada muito relevante), foi a presença da seis. Como o livro inteiro me envolveu, achei que a participação dela seria espetacular, mas acabou ficando um pouco apagada no enredo (principalmente em comparação ao filme). Mas como ela segue firme na saga, espero me surpreender futuramente.
Agora preciso adquirir a continuação: O destino dos seis.
E vocês, já leram essa obra?

6 comentários:

  1. Que livro bacana! (E sobre o número 8? É meu número da sorte kkk) Realmente os filmes e livros nunca ficam parecidos, eu particularmente prefiro os livros, porque me dá a possibilidade de imaginar tudo como eu gostaria que fosse.

    rsenhando.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Gleice,

      Menina, acredita que o número 8 ainda não apareceu na história? Desconfio que seja um menino rs.

      Verdade, os livros sempre permitem maior criatividade e imaginação da história (por isso que os amo!).

      Beijinhos ;*

      Excluir
  2. Estou alegre por encontrar blogs como o seu, ao ler algumas coisas,reparei que tem aqui um bom blog, feito com carinho.Posso dizer que gostei do que li e desde já quero dar-lhe os parabéns, decerto que virei aqui mais vezes.
    Sou António Batalha.
    Que lhe deseja muitas felicidade e saúde em toda a sua casa.
    PS.Se desejar visite O Peregrino E Servo, e se o desejar siga, mas só se gostar, eu vou retribuir seguindo também o seu.
    http://peregrinoeservoantoniobatalha.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá António,
      Obrigada pela visita!

      Fico feliz que tenha gostado e agradeço muito pelos elogios (eles nos motivam a continuar).

      Beijinhos ;*

      Excluir
  3. Eu vi o filme e gostei! Mas parece que realmente é beeem melhor.
    Adoro esses tipos de ficção.
    Beijos

    http://www.mulhermelhore.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Carolina,
      Realmente o livro é melhor, você tem que conferir! Rs

      Obrigada pela visita.
      beijinhos ;*

      Excluir

Tecnologia do Blogger.